quarta-feira, 23 de junho de 2010

USP e Unicamp e a Unam (México), são Universidades líderes em produtividade científica na América Latina e Península Ibérica

Duas instituições paulistas, as universidades de São Paulo (USP) e a Estadual de Campinas (Unicamp), e uma mexicana, a Universidade Nacional Autônoma do México (Unam), são as líderes em produtividade científica da América Latina e Península Ibérica, de acordo com um ranking de instituições produzido pelo grupo de pesquisa espanhol SCImago (SIR 2010), com base em resumos e referências de cerca de 17 mil periódicos da base de dados Scopus. No período de 2003 a 2008, a USP produziu 38 mil artigos científicos, a Unicamp, 15 mil, e a Unam, 17 mil.
O estudo, divulgado em Guadalajara, México, no dia 1º de junho, inclui todas as universidades iberoamericanas que publicaram artigos científicos em 2008. Para cada uma dessas instituições, foram analisados dados correspondentes ao período de 2003 a 2008. O ranking traz dados de produtividade e qualidade científica, e também de colaboração internacional.
Na lista das dez mais produtivas, há cinco universidades espanholas (Universitat de Barcelona, Universidad Complutense de Madrid, Universitat Autonoma de Barcelona, Universitat de Valencia e Universidad Autonoma de Madrid), quatro brasileiras (além da USP e da Unicamp, figuram também a Universidade Estadual Paulista, a Unesp, na 6ª posição, e a Universidade Federal do Rio de Janeiro, a UFRJ, no 7º lugar) e uma mexicana, a Unam. Quando se analisa o desempenho das 100 melhores do ranking, a Espanha lidera com 43 instituições, seguida pelo Brasil, com 27.
A performance por país também revela a concentração da excelência acadêmica em poucos países.  Espanha, Brasil, Portugal, México, Argentina e Chile, nessa ordem, são os líderes do levantamento, respondendo por 90% da produção científica das 28 nações. Mais da metade das universidades da América Latina e Península Ibérica não produziram artigos científicos em revistas indexadas no período estudado.
Fonte: -http://revistapesquisa.fapesp.br/-

Nenhum comentário:

Postar um comentário