quinta-feira, 27 de maio de 2010

Laboratório EMS lançará 'Viagra genérico'



29/04/2010 - O laboratório nacional EMS, de Hortolândia (SP), o maior do país, deverá lançar no mercado sua versão genérica do Viagra, que teve o vencimento da patente antecipada para junho deste ano no Brasil. A Pfizer queria prorrogar a patente desse medicamento para junho de 2011. O Valor apurou que a companhia só aguarda o aval da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para pôr o produto no mercado. A aprovação deverá sair a qualquer momento.

Ao lado do Lipitor, medicamento que combate o colesterol elevado, o Viagra é considerado um dos principais 'blockbusters' (campeão de vendas) mundiais. O Lipitor, com vendas globais de US$ 13 bilhões, perderá sua patente em dezembro deste ano. No mundo, a famosa pílula azul (para disfunção erétil) movimenta cerca de US$ 1,9 bilhão. No país, cerca de R$ 170 milhões.

Um medicamento genérico poderá ter redução de até 65% do preço, segundo legislação nacional.

A gigante nacional EMS quer colocar no mercado versão genérica dos principais medicamentos que estão para perder a patente. Outros laboratórios do país, que incluem multinacionais, estão interessadas em fazer o mesmo, considerando que o mercado de genéricos tem um forte potencial de expansão.

As estimativas são de que as perdas de patente deverão incrementar o mercado de genéricos, neste e no próximo ano, em R$ 800 milhões, de acordo com a Pró-Genéricos (Associação Brasileira das Indústrias de Medicamentos Genéricos). Cerca de 25 medicamentos devem perder a patente até o fim 2011, incluindo produtos adquiridos pelo governo. O Diovan, da farmacêutica suíça Novartis, também considerado um campeão de vendas, é cobiçado pelas produtoras de genéricos.

O acordo que a Pfizer pretende fazer no Brasil com a Eurofarma, se concluído, permitirá que a americana produza genérico de seus próprios medicamentos. No entanto, não está prevista a produção do Viagra pela Eurofarma.

Com faturamento em torno de R$ 2,1 bilhões, a EMS investe cerca de 6% do seu faturamento em pesquisa e desenvolvimento (P&D), assim como a maioria das grandes multinacionais. Com sede em Hortolândia, interior de São Paulo, a empresa conta também com uma unidade produtora em São Bernardo do Campo, no ABC paulista, e um centro de logística em Jaguariúna (SP).

A capacidade de produção do laboratório é de 360 milhões unidades/ano. Na área de prescrição, o grupo atua com cerca de 200 produtos - 25% para cardiologia, 13% para ginecologia e 9% para psiquiatria, dentre outros.

Os planos da companhia também incluem expansão no exterior. O braço da empresa no mercado internacional é a Germed Farmacêutica. O reforço da marca da EMS no mercado nacional é uma das metas do grupo, controlado pela família Sanchez. A empresa, fundada em 1964, comercializa medicamentos, como o Energil C, bálsamo Bengué, o antiácido Gelmax e o Gerovitral

Jornalista: Mônica Scaramuzzo
Fonte: http://www.alanac.org.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário