segunda-feira, 26 de outubro de 2009

UFMG e Amatech assinam acordo para transferência de tecnologia e divisão dos royalties de uso de patente.

A tecnologia dos químicos da UFMG para filtrar CO2 deve ser transferida até o final do ano para a Amatech, prevê o acordo assinado entre a universidade e a empresa. André Rosa, diretor da companhia, diz que ainda não é possível prever quando a tecnologia chegará ao mercado, mas se diz otimista em relação ao potencial dela.
"Para mim, parece claro que nós podemos ficar bem à frente, em termos de custo, das outras tecnologias propostas hoje para sequestrar gás carbônico", diz ele, referindo-se a ideias como o CCS (sigla inglesa de captura e sequestro de carbono), no qual o gás oriundo da combustão em termelétricas, por exemplo, é bombeado para reservatórios subterrâneos.
O andar dos trabalhos já permite cogitar o teste das esferas cerâmicas em contextos reais. "Não sabemos ainda quando e onde será possível um teste em escala piloto, mas é provável que usemos a estrutura da UFMG. Ao que tudo indica, cada indústria terá de adaptar a solução às suas necessidades."
Empresa e universidade devem dividir meio a meio os royalties oriundos da utilização da patente. A possibilidade de sublicenciar a tecnologia para fabricantes fora do Brasil interessa à Amatech, afirma Rosa.
"É certamente uma tecnologia que pode ser interessante bem além das nossas fronteiras", avalia o diretor.

Fonte: Folha de S. Paulo - 26/10/2009

Nenhum comentário:

Postar um comentário